Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Heidiland

Viver rodeada de montanhas, vacas, gatos e suíços // Wohnen neben Bergen, Kühen, Katzen und Schweizern.

Heidiland

Viver rodeada de montanhas, vacas, gatos e suíços // Wohnen neben Bergen, Kühen, Katzen und Schweizern.

Vitra Design Museum

vitra_12jpg.jpg

 

Quando escrevo a palavra museu alguns leitores têm tendência para desligar. Acontece que o Vitra Design Museum não é um típico museu de exposições, grande (e maçudo, dirão alguns). É antes uma das maiores colecções do mundo de mobiliário de design moderno. Para melhor entender a originalidade e interesse deste museu, é preciso conhecer o seu passado.

 

Antes do museu ser fundado em 1989 por Rolf Fehbaum, a Vitra produzia e vendia exclusivamente mobiliário para apartamentos e escritórios. Em 1981 ocorreu um incêndio que destruiu grande parte das suas fábricas. Como uma fénix renascida das cinzas, o Vitra Campus foi sendo reconstruído ao longo dos anos por arquitectos mundialmente conhecidos:

 

Datas a reter sobre os edifícios do Vitra Campus:

  1. Fábrica (edifícios de Frank Gehry (1989), Zaha Hadid (1993), Siza (1994), entre outros);
  2. Vitra Design Museum, exposições temporárias (Frank Gehry, 1989);
  3. Vitra Haus, showroom (Herzog de Meuron, 2010);
  4. Vitra Schaudepot, exposição permanente (Herzog de Meuron, 2016);

 

Falando especialmente da Vitra Haus (o nosso local favorito), o espaço onde se encontra o showroom e a loja é espetacular! O edifício tem quatro andares e cada andar está decorado de forma diferente e com artigos de designers famosos. Alguns desses artigos vêm acompanhados por uma etiqueta com o nome do autor e ano da sua criação. Ficámos rendidos a alguns dos modelos de cadeiras e desiludidos com os sofás. Os nossos designers favoritos são Charles & Ray Eames, autores do modelo Lounge Chair & Ottoman (super confortável!).

 

Se gostam de mobiliário alternativo, decoração e arquitectura têm que visitar este showroom e a exposição permanente onde aprendem um pouco sobre a história por detrás de cada produto. Neste momento podem também ver a exposição temporária Olá Robot. Design entre o homem e a máquina / Hello, Robot. Design between Human and Machine) - indicada para miúdos e graúdos.

 

vitra_.jpgvitra_03jpg.jpgvitra_02jpgvitra_04jpg.jpgvitra_05jpgvitra_06jpg.jpgvitra_07jpg.jpg

vitra_08jpg.jpgvitra_09jpg.jpgvitra_10jpgvitra_zahahadid.jpg

 

Como vêem o fim-de-semana passado foi divertido e educativo. Fica aqui uma dica: quando forem a Basel visitem o Vitra Design Museum que se encontra próximo desta cidade, mais precisamente em Weil am Rhein na Alemanha (há transportes directos). Tenham um agradável fim-de-semana!

Vichy

vichy_06.jpg

 

Como anunciámos no texto anterior, apresentamos hoje o último episódio da nossa travessia Lisboa – Zurique. O nosso destino foi Vichy, cidade mundialmente conhecida pelas suas águas termais e rebuçados. Na nossa opinião toda a cidade parece um pequeno mas bonito museu histórico. Para ficarem a conhecer todos os cantos desta cidade, aconselhamos-vos a pedirem um mapa no turismo.

 

Ao percorrerem o caminho assinalado ficam a conhecer a história da cidade, edifícios históricos, as termas e uma nascente onde se pode beber água medicinal. O tempo era convidativo a banhos, mas a maioria dos espaços estavam encerrados naquela semana. Dica: se querem comprar souvenirs (ímanes e/ou posters) façam-no no turismo, porque é difícil encontrá-los noutras lojas. Nós comprámos os famosos rebuçados de Vichy, para nós e para oferecer.

 

vichy_02.jpg

vichy_03.jpg

vichy_09.jpgvichy_08.jpgvichy_07.jpgvichy_04.jpgvichy_05.jpgvichy_10.jpgvichy_01

 

Esperemos que as nossas sugestões e peripécias vos tenham sido úteis. Aproveitem as nossas dicas e marquem as vossas próximas férias. Se perderam alguma publicação, não se preocupem que as podem consultar aqui.

 

***

Wie wir im vorigen Text geschrieben haben, werden wir heute die letzte Episode unserer Reise Lissabon – Zürich präsentieren. Unser Ziel war Vichy, eine Stadt die Weltweit für seine Thermalquellen und Halsbonbons bekannt ist. Unserer Meinung nach sieht die Stadt wie ein schönes, kleines historisches Museum aus. Um diese Stadt kennenzulernen, empfehlen wir Ihnen beim Touristeninformation einen Stadtplan abzuholen.

 

Auf diesem Weg können Sie die Geschichte der Stadt, historische Gebäude und Thermalbäder und auch eine Quelle, wo man Heilwasser trinken kann, kennen. Das Wetter war sehr kalt, aber die meisten Thermalbäder waren diese Woche geschlossen. Tipp: Wenn Sie Souvenirs (Magnete und Posters) kaufen möchten, machen Sie es im Tourismusbüro, weil in anderen Läden wird es schwierig. Wir haben die bekannten Vichy Halsbonbons gekauft.

 

Wir hoffen, dass unsere Empfehlungen und Abenteuer nützliche waren. Nutzen Sie diese Tipps und buchen Sie Ihre nächste Reise. Falls Sie einen Text verpasst haben, können Sie hier alle finden.

Limoges

limoges_05.jpg

 

Falta-nos apenas escrever e publicar um texto para terminarmos a nossa viagem. Há um proverbio português que ilustra o nosso sentimento: “o que é bom, acaba depressa”. E efetivamente a nossa viagem (e o relato dela) acabou demasiado rápido. Não vamos continuar a lamentá-lo, porque na verdade divertimo-nos bastante e o texto de hoje reflete isso.

 

Recordam-se do episódio do emigrante que nos fez sinais de luzes na autoestrada para nos cumprimentar (ver aqui)? A caminho de Limoges aconteceu-nos uma situação muito similar: um jovem casal suíço abordou-nos numa estação de serviço: bateram no nosso vidro e cumprimentaram-nos em dialeto suíço. Ficámos sensibilizados com o gesto, mas explicámos que apesar do carro ter matrícula suíça, nós éramos portugueses – atitudes como esta(s), aquecem-nos o coração.

 

Segundo os nossos planos chegaríamos tarde a Limoges, e por essa razão decidimos parar para descansar e jantar em Angoulême – cidade conhecida pelo maior festival de banda desenhada da Europa, realizado todos os anos desde 1974. Em viagens longas aconselhamo-vos a planearem bem as vossas pausas. A nossa paragem em Angoulême serviu para vermos as ilustrações que estão espalhas pela cidade.

 

angolême_03.jpgangolême_01.jpg

crepe.jpgangolême_02.jpg

 

Em Limoges visitámos o Four des Casseaux – um dos últimos cinco fornos de porcelana da cidade. Limoges é mundialmente conhecida pelos seus esmaltes, porcelanas e barris de carvalho. Como devem calcular trouxemos recordações: dois pratos em forma de coração. Ao explorar a cidade encontrámos um restaurante português, Le Magellan – o dono era uma simpatia (emigrante de segunda geração) que nos ofereceu pastéis de nata. Os pratos eram de inspiração portuguesa, mas com um toque francês. Recomendadíssimo!

 

limoges_02.jpglimoges_01.jpglimoges_03.jpglimoges_04.jpg

 

Com o almoço tomado fizemo-nos à estrada, porque ainda estávamos um pouco longe de casa. Regressamos na próxima quarta-feira com a última publicação desta aventura!

Biarritz

biarritz_01.jpg

 

Há medida que nos fomos aproximando de casa (Suíça) as temperaturas foram baixando, o que dificultou os nossos passeios – principalmente os noturnos pela cidade. Hoje apresentamo-vos Biarritz: uma das principais cidades do País Basco francês.

 

Como podem observar a cidade é lindíssima e com uma paisagem divinal. Se estivéssemos no verão com certeza que tínhamos entrado naquelas águas. Para chegarmos a Biarritz foi necessário fazermos um pequeno desvio no nosso percurso, mas valeu cada quilometro.

 

O que recomendamos em Biarritz? Experimentem almoçar no mercado local. Foram-nos servidas umas ostras maravilhosas (o menu incluía um copo de vinho). Como não estamos na época balnear a maioria dos restaurantes estavam encerrados; acabámos por jantar perto da praia num restaurante muito catita.

 

Além das praias encantadoras podem visitar o Museu do Oceano e Surf (parte do edifício parece uma onda), Aquário, Casino, Igreja e Cripta Santa Eugénia. Deixo-vos algumas fotografias da cidade para poderem sonhar acordados. Até à próxima semana!

 

biarritz_02.jpg

biarritz_03.1.jpg

biarritz_03.2.jpg

biarritz_04.jpg

biarritz_05.jpg

biarritz_06.jpg

biarritz_07.jpg

 

***

 

Als wir unserem Haus (Schweiz) genähert haben, sind die Temperaturen gefallen, was unsere Spaziergänge erschwert hat, vor allem die nächtliche durch die Stadt. Heute werden wir Biarritz präsentieren: eine der bedeutendsten Städte des französischen Baskenlands.

 

Wie Sie sehen können ist die Stadt wunderschön und hat eine göttliche Landschaft. Falls wir dort im Sommer wären, hätten wir sicher gebadet. Wir haben einen kleinen Umweg gemacht, um Biarritz zu besuchen, aber er war jeden Kilometer wert.

 

Was empfehlen wir in Biarritz? Versuchen Sie, auf dem lokalen Markt zum essen. Wir haben wunderbare Austern gegessen (im Menu war ein Glas Wein inbegriffen). Die meiste Restaurants waren in der Nebensaison geschlossen. Am Schluss haben wir abends in der eebendessen en wir in der dBiarritz zu besuchen - iren - ar acordados. Volta veras, o menu incluia um vinho. Näher Nähe vom Strand gegessen.

 

Neben der Stränden können Sie das Museum für Meereskunde und Surfgeschichte (Cité de l’Océan et du Surf – Teil des Gebäudes sieht wie eine Welle aus), Aquarium, Kasino, Kirche und Krypta St. Eugenia besuchen. Bis nächste Woche!

País Basco || Baskenland: San Sebastian

san sebastian_02.jpg

 

Não imaginam o prazer que temos em escrever os relatos das nossas viagens. Permite recordar todas as nossas peripécias, sabores experiências em cada nova cidade. Esta viagem em particular foi bastante rica culturalmente e este texto é a prova.

 

Antes de alcançarmos o nosso próximo destino – San Sebastian – fizemos um pequeno desvio até Portugalete - uma cidade nos arredores de Bilbao – com o objectivo de atravessarmos a Ponte  (suspensa) de Biscaia (construída em 1893) de Alberto Palacio. A experiência foi engraçada e custou 2.40€ (duas pessoas e um carro). Em termos históricos esta foi a primeira ponte do género a ser construída e une as duas margens da ria de Bilbao. Pela sua importância foi classificada em 2006 Património Mundial da Unesco.

 

portogalete.jpgportogalete_01.jpg

 

Em San Sebastian ficámos hospedados numa simpática pensão que mais parecia um hotel de 3 estrelas, se não fosse a ausência de pequeno-almoço. Tivemos alguma sorte com o funcionário que nos atendeu: ofereceu-nos um mapa da cidade, indicou-nos as ruas com restaurantes e deu algumas dicas culturais. Como chegámos ao hotel final da tarde e estava um frio terrível apenas percorremos as ruas da parte histórica e jantámos. Foi em San Sebastian que descobrimos que queijo Filadélfia combina com marmelada (ou doce). 

 

No manhã seguinte revisitámos a parte histórica, tomámos o pequeno-almoço e fomos passear à marginal. Estava um frio terrível, mas não imaginam a quantidade de pessoas que passeavam à beira-mar. Aquelas praias são uma tentação, principalmente La Concha. No nosso caminho vimos duas obras de Eduardo Chillida (um dos mais famosos escultores e gravuristas modernistas espanhóis): Homenagem a Flemmi ng (inventor da penicilina) e o Pente do Vento (Peine del Viento XV). A última obra encontra-se no final da praia de La Concha, na Plaza del Tenis do arquitecto Luís Peña Ganchegui - um símbolo de união da cidade com a natureza.

 

 Em suma, San Sebastian é uma cidade incrível e apesar da sua pequena dimensão tem muito para se explorar, conhecer e visitar. Ainda sugerimos que visitem a Basílica, a Ponte Maria Cristina, o Centro Histórico, o Centro de Congressos e o Auditório Kursaal.

 

san sebastian_01.jpg

san sebastian_03.jpgsan sebastian_10.jpgsan sebastian_05.jpg

san sebastian_06.jpg

san sebastian_07.jpg

san sebastian_08.jpg

san sebastian_09.jpg 

Domingo sem preguiça! || Unfauler Sonntag #4

Felsenegg – Üetliberg_8.jpg

 

Ao escrevermos este texto queremos motivar-vos (outra vez) a combater a preguiça - estado de espírito que nos domina principalmente no inverno. Ao contrário do que escrevemos no título deste texto, iremos mostrar-vos o que andámos a fazer durante o fim-de-semana e não apenas no domingo.

 

Com o fim-de-semana à porta pensámos em fazer uma pequena pausa nos textos sobre as férias e mostrar-vos o que andámos a fazer no fim-de-semana passado. Digo-vos que houve tempo para tudo: dormir, comer uma bola de Berlim, arrumar papelada e passear pela natureza. O truque é simples: não sentar no sofá! O sofá tem a capacidade de nos amolecer ao ponto de não nos apetecer sair. Por isso, evitem-no!

 

Quando vos apresentámos a nossa cidade (1|2) mencionámos um teleférico (Luftseilbahn Adliswil – Felsenegg); no sábado, energizados pelo bom tempo fomos andar de teleférico e fazer o trajecto: Felsenegg – Üetliberg. Como o piso estava um pouco escorregadio – havendo mais pessoas a percorrê-lo, a neve fica compactada e transforma-se em gelo – andámos muito devagar. No final percorremos 6 km, mas que pareceram 10km. O caminho que escolhemos percorrer, cruzava-se com um outro: percurso dos planetas. Este caminho tem a particularidade de representar o Sistema Solar à escala 1:1’000’000 com modelos dos planetas.

 

No domingo acordámos cansados, mas não pretendíamos ficar o dia todo trancados em casa, por isso entrámos no carro e fomos rumo às terras mais próximas (Türlen e Rüschlikon) observar um lago gelado (Türlersee) e ver uma obra arquitectónica. Em conclusão: ficámos maravilhados com aquelas paisagens.

 

Felsenegg – Üetliberg_7.jpg

Felsenegg – Üetliberg_06.jpg

Felsenegg – Üetliberg_05.jpgFelsenegg – Üetliberg_02.jpgFelsenegg – Üetliberg_03.jpgFelsenegg – Üetliberg_04.jpgFelsenegg – Üetliberg

lago_02lago_03lago_04lago_01ruechelikon_01ruechelikon

 

Esperamos ter atingido o nosso objetivo: digam não à preguiça! Vemo-nos na próxima segunda-feira e bons passeios.

País Basco || Baskenland: Bilbao

país basco.jpg

 

Quem viaja com frequência costuma deparar-se com este problema: muito para conhecer e pouco tempo para o fazer. De Burgos a Bilbao percorremos apenas 159km: não imaginam a beleza da paisagem. O País Basco tem uma beleza incrível e por esse motivo demorámos a percorrê-lo.

 

Em Bilbao deparámo-nos outra vez com um dilema (recordam-se de Bordéus?): uma cidade bonita, movimentada, gigante, com museus, arte e lojas e nós com apenas umas horas para a conhecer. Apesar da experiência ter sido bastante positiva – se estiverem de passagem por Bilbao, visitem pelo menos o exterior do Museu Guggenheim – aconteceram-nos dois episódios evitáveis:

 

  • Almoçámos no restaurante de fast-food mais lento do mundo: esperámos 30 minutos para nos servirem dois hambúrgueres e um sumo!;
  • O Hotel Ibis Bilbao Centro onde ficámos hospedados recusou-se a enviar-nos o carregador de telemóvel de que nos esquecemos pelo correio. Segundo a funcionária, o hóspede é que teria de contratar uma empresa para efectuar a recolha do objecto. Nós oferecemo-nos para pagar as despesas de envio mas o hotel recusa-se!.

 

Se ignorarmos os episódios caricatos e o inverno rigoroso, a viagem a Bilbao foi divertida e ficou-nos na memória. Tivemos imensa pena de partir sem conhecer todos os seus cantos. Despedimo-nos com a lista de pontos turísticos: Palácio Euskalduna, Basílica de Nossa Senhora de Begoña, Ponte e Igreja de Santo Antão, Gran Vía, Museu Guggenheim, Museu de Belas Artes, Zubizuri (ponte de Santiago Calatrava), La Salve e o Centro Cultural Alhóndiga.

bilbao_11.jpgbilbao_12.jpg

bilbao_01.jpg

bilbao_02.jpgbilbao_08.jpgbilbao_03.jpgbilbao_10.jpgbilbao_04.jpgbilbao_05.jpgbilbao_06.jpgbilbao_07.jpgbilbao_09.jpg

 

Até sexta-feira! Se tiverem outras dicas, sugestões ou histórias engraçadas passadas em Bilbao, partilhem-nas connosco.

 

***

 

Wer häufig reist, hat das gleiche Problem: so viel zu tun und so wenig Zeit. Wir sind zwischen Burgos und Bilbao nur 159 km gefahren – Sie können sich die Schönheit der Landschaft nicht vorstellen. Das Baskenland hat eine unglaubliche Schönheit und aus diesem Grund sind wir langsam gefahren.

 

In Bilbao sind wir vor einem Dilemma gestanden (erinnern Sie sich an Bordeaux?): eine schöne, lebhafte, grosse Stadt mit Museen, Kunst und Läden und wir hatten nur ein paar Stunden sie kennenzulernen. Obwohl die Erfahrung positiv war – schauen Sie mindestens von aussen das Guggenheim Museen an – hatten wir zwei vermeidbare Episoden:

 

  • Wir haben sicher im langsamsten fast-food Restaurant der Welt gegessen wir mussten 30 Minuten auf zwei Hamburger und einen Saft warten;
  • Das Hotel Ibis Bilbao Centro, wo wir geschlafen sind, hat sich geweigert unser dort verloren Ladegerät zu senden.

 

Wenn wir die lustigen Episoden und den kalten Winter vergessen, hatten wir viel Spass in Bilbao. Leider konnten wir nicht alle Sehenswürdigkeiten besuchen. Wir verabschiedeten uns mit deren Liste: Palast Euskalduna, Basilika von Begoña, Kirche und Brücke St. Antonius, Gran Vía, Museum Guggenheim, Museum der Schönen Künste, Zubizuri (Brücke von Santiago Calatrava), La Salve und Kulturzentrum Alhóndiga.

 

Bis Freitag! Falls Sie andere Tipps, Vorschläge oder lustigen Geschichte in Bilbao haben, bitte teilen Sie uns mit.

Burgos

burgos_05.jpg

 

Um dos motivos pelos quais gostamos de viajar, é poder conhecer outras pessoas, hábitos, costumes, tradições e provar diferentes comidas. Em Garrovillas de Alconétar - uma vila que fica nos arredores de Cáceres – almoçamos por apenas 4 euros: dois montaditos, batatas fritas, um chá e um café. Foi a refeição mais barata da nossa viagem!

garrovillas de alconetar_01.jpggarrovillas de alconetar_04.jpggarrovillas de alconetar_02.jpggarrovillas de alconetar_03.jpg

 

Viajar de automóvel permite-nos parar e conhecer sítios incríveis que de outra forma não seria possível (recordam-se de Paray-le-Monial?). Com o almoço tomado seguimos rumo a Burgos – uma cidade lindíssima e encantadora. Reservámos um hotel no centro e sem estacionamento disponível (como chegámos ao final da tarde estacionámos na rua). Pela primeira vez, ficámos radiantes em saber que dia 2 de janeiro era feriado municipal em Burgos, ou seja, o estacionamento seria gratuito. Desta forma, podemos conhecer a cidade – é obrigatório visitar a Catedral de Burgos – sem estarmos preocupados com o estacionamento.

 

Despedimo-nos com a nossa habitual lista de pontos de interesse: Catedral, Igreja de São Nicolau, Igreja de São Estevão, Mosteiro de las Huelgas, Arco de Santa Maria, Castelo, Praça de Mio Cid, Praça Maior, Museu da Evolução Humana, Cartusiana de Miraflores (arredores da cidade). Até quarta-feira!

burgos_04.jpgburgos_01burgos_06.jpgburgos_02.jpgburgos_07.jpgburgos_03.jpgburgos_08.jpgburgos_09.jpgburgos_10.jpg

 

Curiosidade: sabiam que os nossos vizinhos espanhóis são conhecidos pelas suas tapas, pinchos e montaditos? Estes pratos são uma espécie de aperitivos, petiscos ou sandes. O seu tamanho reduzido permite-nos experimentar mais do que um prato.

Cáceres, a cidade fantasma || Cáceres, die Geisterstadt

caceres_1.jpg

 Vista do hotel 

Hoje falaremos de uma situação bastante caricata que nos aconteceu na passagem de ano: a dificuldade que tivemos para encontrar um restaurante aberto em Cáceres. Quando planeámos a nossa viagem pensámos em tudo – reservar o hotel (primeira noite), conferir os horários dos museus, monumentos e mercados – menos verificar os hábitos locais.

 

Da maneira mais parva, descobrimos que nem todas as cidades festejam da mesma forma a passagem do ano. Quando marcámos o hotel tivemos especial atenção ao preço e à beleza do local, mas não demos a devida importância ao restaurante para jantar no dia 31 de dezembro. Resultado: percorremos as ruas de Cáceres durante mais de meia hora a pé, e encontrámos apenas três restaurantes abertos. Pela escassez de opções jantámos num pequeno tasco, perto da Praça Maior.

Na manhã seguinte a cidade parecia outra: as cafetarias e restaurantes estavam abertos e havia movimento (e pessoas) na rua. Por ser feriado (1 de janeiro), os museus, palácios e outros monumentos históricos estavam encerrados, excepto as igrejas. Apesar da nossa má experiência recomendamos Cáceres, desde que não seja na passagem de ano.

 

Por isso não se esqueçam: quando planearem as vossas férias informem-se primeiro sobre os feriados nacionais, municipais e hábitos locais: não cometam o nosso erro. Na próxima semana apresentamo-vos a bela e (con)gelada Burgos.

 

Pontos de interesse:

É importante referir que o Centro Histórico de Cáceres é classificado como Património da Humanidade pela Unesco. No centro encontram o Palácio dos Golfines, Casa del Sol, Concatedral de Santa Maria, Igreja de São Mateus, Igreja de Santigado e Igreja de São João, Torre de Bujaco e a Praça Maior (Plaza Mayor).

 

caceres_3.jpg

caceres_4.jpgcaceres_5.jpgcaceres_7.jpgcaceres_2.jpgcaceres_6.jpg

 

***

 

Heute werden wir über eine ziemlich lächerliche Situation schreiben, die uns über Neujahr vorgekommen ist: die Schwierigkeit in Cáceres ein Restaurant zu finden. Als wir unsere Reise geplant haben, haben wir an alles gedacht – ein Hotel (für die erste Nacht) buchen, die Zeitpläne von Museen, Denkmäler und Märkte prüfen – aber wir haben vergessen, die lokalen Gewohnheiten zu überprüfen.

 

Wahrend unserer Reise haben wir gefunden, dass nicht jede Stadt das Neujahr gleich feiert. Als wir das Hotel gebucht haben, haben wir ein besonderes Augenmerk auf den Preis und die Schönheit des Ortes gelegt, aber kein Restaurant reserviert. Resultat: wir sind durch die Strassen von Cáceres während länger als eine halbe Stunde gelaufen und haben nur drei offenen Restaurants gefunden. Am Ende haben wir in einem kleinen Restaurant in der Nähe der Plaza Mayor gegessen.  

 

Am nächsten Morgen sah die Stadt anders aus: Konditoreien und Restaurants waren geöffnet und die Strasse belebt. Als Feiertag (1. Januar) waren Museen, Schlösser und andere historische Denkmäler geschlossen, ausser den Kirchen. Trotz unserer schlechten Erfahrung, empfehlen wir Cáceres, sofern nicht über Neujahr.

Vergessen Sie nicht: wenn Sie Ihre Ferien planen, informieren Sie Sich über Lokal- und Nationalfeiertage sowie lokalen Gewohnheiten: wiederholen Sie unseren Fehler nicht. Nächste Woche präsentieren wir Ihnen die schöne und eiskalte Burgos.    

 

Sehenswürdigkeiten:

Es ist wichtig zu sagen, dass die Altstadt von Cáceres als Unesco-Weltkulturerbe klassifiziert ist. Im Stadtzentrum können Sie den Palast Golfines de Abajo, Casa del Sol, Kathedrale St. María, Santiago-Kirche, Kirche San Mateo, Kirche San Juan, Bujaco-Turm und Hauptplatz (Plaza Mayor).    

Lisboa || Lissabon

A primeira parte da nossa viagem terminou em Lisboa. Foram quatro dias na estrada que passaram a voar: percorremos 468km. Pelos inúmeros textos que escrevemos sobre a época natalícia conhecem o nosso fascínio pelo Natal e a época festiva de 2016 tornou-se ainda mais especial: alguns dos nossos amigos mais chegados foram pais. Isso significa estragar os novos petizes com presentes: ofereci à minha sobrinha emprestada uma vaquinha suíça (peluche).

 

Como sabíamos que a semana em Lisboa ia ser curta procurámos organizar bem a nossa agenda, de modo a visitar (rever) os bebés e notar que cresceram muito desde a ultima vez que os vimos (julho). Atraídos pelas inúmeras peças jornalísticas e a enorme afluência de visitantes fomos visitar também o MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia – confessamos que ficámos bastante desiludidos. As obras exteriores não estavam concluídas e não havia uma única exposição aberta. O único ponto positivo que destacamos é a vista.

 

lisboa_tejo_02

lisboa_tejo.jpg

 

Ao contrário das últimas viagens tirámos poucas fotografias à nossa terra natal. O motivo foi simples: era urgente colocar a máquina fotográfica a limpar. Para quem não sabe: as lentes e sensores são “bichos” muito sensíveis (a.k.a caros) que têm que ser bem tratados e estimados.

 

Excepcionalmente regressamos na quinta-feira e falaremos da viagem de regresso - primeira paragem Cáceres (Espanha).

 

Curiosidade: na viagem (ZH-LX) cruzámo-nos com muitos automobilistas emigrantes, mas um destacou-se: fez sinais de luzes para nos cumprimentar (o mesmo modelo do nosso carro, na mesma cor, e também com matrícula de Zurique). O gesto foi único e ficou registado nos momentos bons da viagem.

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.