Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Heidiland

Viver rodeada de montanhas, vacas, gatos e suíços // Wohnen neben Bergen, Kühen, Katzen und Schweizern.

Heidiland

Viver rodeada de montanhas, vacas, gatos e suíços // Wohnen neben Bergen, Kühen, Katzen und Schweizern.

Burgos

burgos_05.jpg

 

Um dos motivos pelos quais gostamos de viajar, é poder conhecer outras pessoas, hábitos, costumes, tradições e provar diferentes comidas. Em Garrovillas de Alconétar - uma vila que fica nos arredores de Cáceres – almoçamos por apenas 4 euros: dois montaditos, batatas fritas, um chá e um café. Foi a refeição mais barata da nossa viagem!

garrovillas de alconetar_01.jpggarrovillas de alconetar_04.jpggarrovillas de alconetar_02.jpggarrovillas de alconetar_03.jpg

 

Viajar de automóvel permite-nos parar e conhecer sítios incríveis que de outra forma não seria possível (recordam-se de Paray-le-Monial?). Com o almoço tomado seguimos rumo a Burgos – uma cidade lindíssima e encantadora. Reservámos um hotel no centro e sem estacionamento disponível (como chegámos ao final da tarde estacionámos na rua). Pela primeira vez, ficámos radiantes em saber que dia 2 de janeiro era feriado municipal em Burgos, ou seja, o estacionamento seria gratuito. Desta forma, podemos conhecer a cidade – é obrigatório visitar a Catedral de Burgos – sem estarmos preocupados com o estacionamento.

 

Despedimo-nos com a nossa habitual lista de pontos de interesse: Catedral, Igreja de São Nicolau, Igreja de São Estevão, Mosteiro de las Huelgas, Arco de Santa Maria, Castelo, Praça de Mio Cid, Praça Maior, Museu da Evolução Humana, Cartusiana de Miraflores (arredores da cidade). Até quarta-feira!

burgos_04.jpgburgos_01burgos_06.jpgburgos_02.jpgburgos_07.jpgburgos_03.jpgburgos_08.jpgburgos_09.jpgburgos_10.jpg

 

Curiosidade: sabiam que os nossos vizinhos espanhóis são conhecidos pelas suas tapas, pinchos e montaditos? Estes pratos são uma espécie de aperitivos, petiscos ou sandes. O seu tamanho reduzido permite-nos experimentar mais do que um prato.

Cáceres, a cidade fantasma || Cáceres, die Geisterstadt

caceres_1.jpg

 Vista do hotel 

Hoje falaremos de uma situação bastante caricata que nos aconteceu na passagem de ano: a dificuldade que tivemos para encontrar um restaurante aberto em Cáceres. Quando planeámos a nossa viagem pensámos em tudo – reservar o hotel (primeira noite), conferir os horários dos museus, monumentos e mercados – menos verificar os hábitos locais.

 

Da maneira mais parva, descobrimos que nem todas as cidades festejam da mesma forma a passagem do ano. Quando marcámos o hotel tivemos especial atenção ao preço e à beleza do local, mas não demos a devida importância ao restaurante para jantar no dia 31 de dezembro. Resultado: percorremos as ruas de Cáceres durante mais de meia hora a pé, e encontrámos apenas três restaurantes abertos. Pela escassez de opções jantámos num pequeno tasco, perto da Praça Maior.

Na manhã seguinte a cidade parecia outra: as cafetarias e restaurantes estavam abertos e havia movimento (e pessoas) na rua. Por ser feriado (1 de janeiro), os museus, palácios e outros monumentos históricos estavam encerrados, excepto as igrejas. Apesar da nossa má experiência recomendamos Cáceres, desde que não seja na passagem de ano.

 

Por isso não se esqueçam: quando planearem as vossas férias informem-se primeiro sobre os feriados nacionais, municipais e hábitos locais: não cometam o nosso erro. Na próxima semana apresentamo-vos a bela e (con)gelada Burgos.

 

Pontos de interesse:

É importante referir que o Centro Histórico de Cáceres é classificado como Património da Humanidade pela Unesco. No centro encontram o Palácio dos Golfines, Casa del Sol, Concatedral de Santa Maria, Igreja de São Mateus, Igreja de Santigado e Igreja de São João, Torre de Bujaco e a Praça Maior (Plaza Mayor).

 

caceres_3.jpg

caceres_4.jpgcaceres_5.jpgcaceres_7.jpgcaceres_2.jpgcaceres_6.jpg

 

***

 

Heute werden wir über eine ziemlich lächerliche Situation schreiben, die uns über Neujahr vorgekommen ist: die Schwierigkeit in Cáceres ein Restaurant zu finden. Als wir unsere Reise geplant haben, haben wir an alles gedacht – ein Hotel (für die erste Nacht) buchen, die Zeitpläne von Museen, Denkmäler und Märkte prüfen – aber wir haben vergessen, die lokalen Gewohnheiten zu überprüfen.

 

Wahrend unserer Reise haben wir gefunden, dass nicht jede Stadt das Neujahr gleich feiert. Als wir das Hotel gebucht haben, haben wir ein besonderes Augenmerk auf den Preis und die Schönheit des Ortes gelegt, aber kein Restaurant reserviert. Resultat: wir sind durch die Strassen von Cáceres während länger als eine halbe Stunde gelaufen und haben nur drei offenen Restaurants gefunden. Am Ende haben wir in einem kleinen Restaurant in der Nähe der Plaza Mayor gegessen.  

 

Am nächsten Morgen sah die Stadt anders aus: Konditoreien und Restaurants waren geöffnet und die Strasse belebt. Als Feiertag (1. Januar) waren Museen, Schlösser und andere historische Denkmäler geschlossen, ausser den Kirchen. Trotz unserer schlechten Erfahrung, empfehlen wir Cáceres, sofern nicht über Neujahr.

Vergessen Sie nicht: wenn Sie Ihre Ferien planen, informieren Sie Sich über Lokal- und Nationalfeiertage sowie lokalen Gewohnheiten: wiederholen Sie unseren Fehler nicht. Nächste Woche präsentieren wir Ihnen die schöne und eiskalte Burgos.    

 

Sehenswürdigkeiten:

Es ist wichtig zu sagen, dass die Altstadt von Cáceres als Unesco-Weltkulturerbe klassifiziert ist. Im Stadtzentrum können Sie den Palast Golfines de Abajo, Casa del Sol, Kathedrale St. María, Santiago-Kirche, Kirche San Mateo, Kirche San Juan, Bujaco-Turm und Hauptplatz (Plaza Mayor).    

Lisboa || Lissabon

A primeira parte da nossa viagem terminou em Lisboa. Foram quatro dias na estrada que passaram a voar: percorremos 468km. Pelos inúmeros textos que escrevemos sobre a época natalícia conhecem o nosso fascínio pelo Natal e a época festiva de 2016 tornou-se ainda mais especial: alguns dos nossos amigos mais chegados foram pais. Isso significa estragar os novos petizes com presentes: ofereci à minha sobrinha emprestada uma vaquinha suíça (peluche).

 

Como sabíamos que a semana em Lisboa ia ser curta procurámos organizar bem a nossa agenda, de modo a visitar (rever) os bebés e notar que cresceram muito desde a ultima vez que os vimos (julho). Atraídos pelas inúmeras peças jornalísticas e a enorme afluência de visitantes fomos visitar também o MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia – confessamos que ficámos bastante desiludidos. As obras exteriores não estavam concluídas e não havia uma única exposição aberta. O único ponto positivo que destacamos é a vista.

 

lisboa_tejo_02

lisboa_tejo.jpg

 

Ao contrário das últimas viagens tirámos poucas fotografias à nossa terra natal. O motivo foi simples: era urgente colocar a máquina fotográfica a limpar. Para quem não sabe: as lentes e sensores são “bichos” muito sensíveis (a.k.a caros) que têm que ser bem tratados e estimados.

 

Excepcionalmente regressamos na quinta-feira e falaremos da viagem de regresso - primeira paragem Cáceres (Espanha).

 

Curiosidade: na viagem (ZH-LX) cruzámo-nos com muitos automobilistas emigrantes, mas um destacou-se: fez sinais de luzes para nos cumprimentar (o mesmo modelo do nosso carro, na mesma cor, e também com matrícula de Zurique). O gesto foi único e ficou registado nos momentos bons da viagem.

Salamanca

salamanca_

 

Tal como referimos no texto anterior, hoje vamos falar sobre a nossa passagem por Salamanca – cidade espanhola conhecida pela sua arquitectura (estilos barroco, românico e gótico), com monumentos e edifícios emblemáticos como a Universidade, uma das mais antigas de Espanha e do Mundo.

 

De Bordéus a Salamanca percorremos 685 km – o percurso mais longo que fizemos em toda a viagem. Por norma reservamos hotéis com pequeno-almoço incluído, porque (eu) gosto de acordar e tomar a minha refeição descansada. O arquitecto apesar de não partilhar da mesma opinião faz-me a vontade. Acontece que nas cidades espanholas que visitámos o pequeno-almoço nunca estava incluído e/ou o preço cobrado era um absurdo. Deste modo, fomos conhecer as confeitarias locais e em Salamanca encontrámos uma bastante agradável na Praça Maior.

 

Com o pequeno-almoço tomado demos início à exploração (rápida) da cidade, porque ao final da tarde tínhamos que estar em Lisboa. Em Salamanca destacamos: Casa das Conchas, Igreja La Clerecía, Igreja de Santo Estevão, Catedral Nova e Velha, Museu de história do Automóvel, Convento Las Dueñas, Palácio e Praça de Anaya, Praça Maior (Plaza Mayor), Parque dos Jesuítas e Universidade.

 

Despedimo-nos com uma pequena curiosidade: sabiam que os nossos vizinhos espanhóis não sabem o que é um carioca de limão? Durante a segunda parte da nossa viagem estive doente e nunca consegui que me servissem um chá de limão, o carioca de limão português.

 

salamanca_4.jpg

salamanca_5.jpgsalamanca_6.jpg

salamanca_7.jpgsalamanca_1.jpgsalamanca_2.jpgsalamanca_3.jpg

 

Desejamos-vos um bom fim-de-semana e cuidado com o frio!

 

***

 

Heute werden wir über unseren kleinen Halt in Salamanca schreiben – eine Stadt, die bekannt für ihre Architektur (Barock-, romanischer und gotischer Stil), mit Denkmälern und prägenden Gebäuden wie zum Beispiel die Universität, eine der ältesten in Spanien und der Welt.

 

Wir sind von Bordeaux nach Salamanca 685 km gefahren – es war die längste Strecke, die wir gefahren sind. Normalerweise buchen wir Hotels mit Frühstück, weil ich gerade nach dem Aufwachen gerne esse. Obwohl der Architekt einer anderen Meinung ist, lässt er mir meinen Willen. Es stellte sich heraus, dass in Spanien das Frühstück in den Hotels meistens teuer ist. Somit haben wir die lokalen Konditoreien kennengelernt und in Salamanca eine gefunden, direkt am Plaza Mayor.

 

Nachdem wir das Frühstück gegessen haben, haben wir die Stadt (kurz) besucht, weil wir abends in Lissabon sein sollten. In Salamanca müssen Sie folgendes sehen: Haus der Muscheln (Casa de las Conchas), Kirche La Clerecía, Kirche St. Stephans, Alte und Neue Kathedrale, Automuseum, Hauptplatz (Plaza Mayor), Kloster las Dueñas, Schloss und Platz Anaya, Park Jesuit (Parque de los Jesuitas) und die Universität.

 

Wir verabschieden uns mit einer kleinen Kuriosität. Wissen Sie, dass unsere spanische Nachbarn Zitronen-Tee nicht kennen? Am zweiten Teil unserer Reise bin ich krank geworden und konnte Zitronen-Tee nicht trinken.

 

Wir wünschen Ihnen ein schönes Wochenende und Vorsicht mit der Kälte!

Bordéus || Bordeaux

bordeus_07.jpg

 

Não queremos influenciar a vossa opinião, mas começamos este texto por dizer que Bordéus foi uma das cidades que mais gostámos de conhecer. Talvez por termos encontrado variadíssimas semelhanças com Milão (1|2|3): a disposição das ruas, galerias, portas e o facto de se comer muito bem – falaremos deste assunto mais adiante.  

 

De Paray-le Monial a Bordéus percorremos 528 km. Esta cidade é conhecida pelos seus vinhos. Aos apreciadores de vinho, arquitectos ou entusiastas de sítios bonitos, recomendamos que visitem a loja L’Intendant. Nós aproveitámos as promoções e comprámos alguns dos nossos presentes de natal. Curiosidade: Bordéus foi classificada em 2007 Património Mundial da Humanidade pela Unesco.

 

A comida foi com certeza o ponto alto da nossa viagem. Não nos recordamos de comer tanto e de forma tão variada como nesta viagem. Os franceses são especialistas em menus e cada um é mais tentador que o próximo. Tenham atenção aos preços que em Bordéus come-se muito bem, mas não é barato. Fica aqui a referência de um restaurante que nos agradou pelo espaço, comida e simpatia – Cheminée Royale.

 

Infelizmente conseguimos visitar apenas uma pequena parte da nossa lista de pontos de interesse. Pretendemos regressar brevemente para conhecer todos os pontos desta lista que ficaram por visitar: Catedral de Bordéus, Basílica de São Miguel, Igreja da Santa Cruz (Abbatiale Sainte-Croix), Igreja de São Pedro (Église Saint-Pierre), Museu de Arte Contemporânea, Museu de Belas Artes, Porta Cailhau, Ponte de Pedra (Pont de pierre), Cité du Vin, Espelho de água, ruínas romanas (Palais Gallie), Jardim Botânico, Parque aux Angéliques e por último o parque Bordelais

 

bordeus_02.jpgbordeus_10.jpgbordeus_03.jpgbordeus_13.jpg

bordeus_05.jpgbordeus_06.jpg

bordeus_09.jpg

bordeus.jpg

 

 

No próximo texto damos-vos a conhecer Salamanca (Espanha). Até sexta-feira!

 

***

Paray-le-Monial

paray-le-monial

 

Iniciámos a nossa viagem rumo a Lisboa ao final da tarde de 20 de dezembro. Segundo os nossos planos tínhamos quatro dias para chegar ao nosso destino. Como não nos podia acompanhar na viagem, a Lucy ficou a cargo dos nossos vizinhos – o bem-estar da nossa gata é uma das nossas prioridades.  

 

A nossa primeira paragem foi em Paray-le-Monial – cidade francesa da região de Borgonha. Percorremos 463 km com apenas uma paragem para abastecer e jantar. Só na manhã seguinte é que fomos explorar aquela pequena cidade. Em Paray-le Monial conhecemos três dos seus quatros principais pontos de interesse: Basílica de Paray-le-Monial, Paços do Concelho (Hôtel de Ville), Capela da Visitação (Chapelle de la Visitation); não visitámos o Museu de Hiéron.

 

Ao percorrermos as ruas desta pacata localidade encontrámos uma padaria. Aproveitámos para tomar o pequeno-almoço visto que o pequeno-almoço no hotel era pago (caro) e “de plástico”. Ao entrarmos naquele estabelecimento fomos invadidos por um cheiro maravilhoso a pão e bolos - apetecia-nos comer de tudo um pouco. Não temos o hábito de generalizar ou comparar, mas hoje abrimos uma excepção: os franceses têm o dom da apresentação da comida. Qualquer prato de comida (doce ou salgado) tem uma apresentação divinal e sabe igualmente bem.

 

No próximo texto falaremos da nossa próxima paragem: Bordéus. Desfrutem das nossas fotografias (o tempo não colaborou muito, mas pensamos que conseguimos captar o carisma daquela cidade). Até quarta-feira, se não houver imprevistos.

 

paray-le-monial_04.jpg

paray-le-monial_07.jpg

paray-le-monial_06.jpg

paray-le-monial_07.jpg

paray-le-monial_08.jpg

 

***

Wir haben unsere Reise nach Lissabon am Abend vom 20. Dezember begonnen. Nach unseren Plänen hatten wir vier Tage, unser Ziel zu erreichen. Weil sie mit uns nicht fahren konnte, ist Lucy mit unseren Nachbarn geblieben – das Wohlbefinden unserer Katze ist eine unserer Prioritäten.

 

Unser erster Halt war Paray-le-Monial – eine französische Stadt der Region Burgund. Wir sind 463km gefahren, mit nur einem Stopp zum tanken und essen. Am nächsten Morgen haben wir die kleine Stadt besucht. Wir haben drei ihrer vier wichtigsten Sehenswurdigkeiten angeschaut: Basilika von Paray-le-Monial, Rathaus (Hôtel de Ville), Kapelle Heimsuchung (Chapelle de la Visitation); wir haben das Hiéron-Museum nicht besucht.

 

Als wir durch diese ruhige Stadt spaziert sind, haben wir eine Bäckerei gefunden. Wir haben dort das Frühstuck gegessen, weil es im Hotel teuer und “künstlich” war. Wir versuchen nicht zu verallgemeinern oder vergleichen, aber dieses Mal machen wir eine Ausnahme: Französische haben die Gabe, das Essen richtig zu präsentieren. Alle Speisen (süss oder salzig), schmecken und sehen gut aus.

 

Im nächsten Text werden wir über unsere nächste Halt schreiben: Bordeaux (Frankreich). Geniessen Sie unsere Fotos (das Wetter war schlecht aber wir konnten das Charisma der Stadt trotzdem aufnehmen). Bis Mittwoch.

O Regresso! || Die Rückkehr!

Com alguma lentidão estamos de regresso ao blogue! Custa retomar os velhos habítos, horários e rotinas após um longo periodo de férias. Nas próximas semanas esperam-vos episódios divertidos, algumas dicas de restauração (comemos muito bem), sugestões de locais a visitar e (muitas) fotografias.

 

Se alguém estiver interessado também podemos oferecer duas constipações pelo preço de uma: não vão acreditar, mas eu constipei-me em Lisboa e o arquitecto no penúltimo dia de férias - claramente, já não estou habituada ao clima tropical português. Sem mais demoras apresentamo-vos alguns dos temas (cidades) que iremos abordar nas próximas semanas:

 

Partida de Zurique – Paray-le-Monial – Bordéus – Salamanca – Lisboa.

  

Partida de Lisboa – Ervidel – Cáceres – Burgos – País Basco – Biarritz – Limoges – Vichy – Zurique.

 

Pelo itinerário da nossa viagem, ficam a saber que fomos pela primeira vez de carro até Lisboa. Foi uma viagem bastante longa (5000 km) que nos proporcinou boas experiências e uma redescoberta: o meu namoro antigo pelas cidades francesas.

 

Desejamos a todos os nossos leitores um feliz ano de 2017! Aproveitem a entrada no novo ano para estabelecerem novas metas (credíveis) e nada de energias negativas. Queremos também saber como foi o vosso Natal e o que fizeram na passagem de ano. Estivemos muito tempo ausentes e queremos saber das cusquices. Até segunda-feira!

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.